Buscar

Não há nada de errado com o sexo!

Atualizado: 28 de Dez de 2020




Sexo é um daqueles assuntos que mexem com a cabeça e com os hormônios das pessoas em todas as eras, idades, classe social ou religião.


Foi assim no passado e é assim na sociedade em que vivemos.



Até ouso dizer que em nossos dias, o sexo e a sexualidade estão presentes em todos os traços da nossa cultura.


Nas bancas de revistas, jornais, outdoors, banners, propagandas, filmes, novelas, séries de TV, nos livros, na música e ao alcance das mãos podendo ser acessado do celular com apenas um clique.



SOCIEDADE HIPERSEXUALIZADA!



Tudo isso mostra que não bastasse o fato de nós seres humanos sermos seres sexuais, nossa cultura também se tornou uma cultura hipersexualizada capaz de gerar estímulos cada vez mais intensos em nós.


No entanto, o grande problema da sociedade atual, é a má interpretação do que de fato é o sexo.


  • Este livro pode mudar sua visão sobre a escolha de uma pessoa para namorar, noivar ou casar. Clique aqui


Albert Mohler Jr em seu livro Desejo e engano nos alerta sobre os riscos das controvérsias em relação ao sexo em uma sociedade hipersexualizada!


Mohler diz: "Parece não haver nenhuma parte de nossa cultura que não esteja lidando, de uma maneira ou de outra, com a sexualidade envolvendo, frequentemente, significativa controvérsia".


A ideia de Mohler é simples: o sexo não poupa ninguém, todo mundo está lidando de alguma forma com o sexo, mas será que estamos lidando com ele de maneira correta?



A resposta é não!


No mundo, as pessoas banalizaram o sexo.

E por mais incrível que possa parecer, a maioria das controvérsias sobre sexo e sexualidade estão no meio cristão.


Sério, a maioria das controvérsias sobre sexo partem da má interpretação das Escrituras e da falta do entendimento dos cristãos do que de fato significa o sexo no propósito de Deus.



SEXO É RUIM?



Uma das maiores controvérsias que insistem em permanecer entre os seres humanos em relação ao sexo é a de que o sexo é algo ruim.


E pasmem, essa controvérsia surgiu a partir da interpretação bíblica de um dos teólogos mais respeitados entre os estudiosos das Escrituras: Agostinho de Hipona (Santo Agostinho para os católicos).


Agostinho foi um teólogo do século 4, que reformou de forma radical a visão cristã do sexo.


Ele argumentava que o desejo sexual - a luxúria - tinha levado Adão a aceitar a proposta de Eva de provar do fruto proibido da Árvore do conhecimento do bem e do mal.


Desta forma, pela primeira vez, o desejo sexual foi associado com a origem dos pecados e daí por diante começaram a dizer que o pecado de Adão e Eva foi ter feito sexo e que a maçã do Éden era um tipo de tentação sexual.


A associação entre sexo e pecado feita por Santo Agostinho deixou muitos cristãos com uma sensação de vergonha diante do desejo sexual e o ato de saciá-lo.



A REFORMA SEXUAL!



Aproximadamente mil anos depois de Agostinho, Lutero e os reformadores rejeitaram completamente a visão de Agostinho sobre sexo e a sexualidade cristã.


Lutero era um monge Agostiniano e respeitava profundamente o pensamento de Agostinho.


Mas discordava veementemente dele em sua interpretação sobre a sexualidade.


Lutero rejeitou os ensinamentos de Agostinho de que o sexo era pecaminoso.


Declarou que o sexo entre um homem e uma mulher era um presente de Deus, desde que praticado dentro do casamento.


Lutero também abandonou a tradição católica segundo a qual todos os sacerdotes devem ser celibatários, alertando que os desejos sexuais dos sacerdotes podem acabar sendo canalizados em direções perigosas.


Desta forma, Lutero estimulou os sacerdotes protestantes a se casarem e pregou pelo exemplo, ao se casar com Catarina Von Bora.



SEXO NÃO É RUIM!



O problema é que com frequência o sexo vem sendo interpretado em muitas igrejas a partir da visão de Agostinho.



Podemos ver pastores, padres e lideres cristãos falando sobre sexo de maneira que faz parecer que o ato sexual é nojento, repugnante e pecaminoso.


Eles tentam condenar os atos sexuais que geram práticas pecaminosas, mas não sabem explicar que embora possam existir atos sexuais pecaminosos, o sexo em sua essência não é e jamais será ruim ou pecaminoso.

É verdade que, a maneira como lidamos com o sexo e a concepção que temos dele podem ser ruins e capazes de gerar problemas, mas o sexo não é o problema!


Sexo é bom!


Sexo é bênção de Deus.



O SEXO É UMA BÊNÇÃO DE DEUS:



No plano original de Deus não há nada de errado com o sexo, sexo é bom, foi Deus quem criou e foi Ele quem nos tornou seres sexuais.


Deus poderia ter nos criado como amebas que se auto reproduzem – sem a necessidade de outro ser.


Mas Ele decidiu nos fazer sexuais e dependentes de outro ser para exercer nossa sexualidade.


Não apenas isto, Deus também decidiu que o ato sexual seria prazeroso.



Desta forma, diferente dos animais que fazem sexo simplesmente por instinto e para reprodução. Nós seres humanos praticamos o sexo para dar e receber prazer e isso é uma bênção de Deus.


Quero que você entenda que no plano original de Deus para o sexo não há nada de errado nele, o erro acontece quando usamos o sexo fora do plano de Deus.


Neste caso, podemos sim  atrair resultados ruins sobre nossas vidas e sobre nossa sexualidade.


NÃO ACREDITE EM QUEM DIZ QUE O SEXO É RUIM!


Qualquer pregador ou pregação que tente mostrar que o sexo é algo ruim, que é um mal e não uma dádiva a ser celebrada, está distante da visão cristã sobre sexo.


Precisamos sim, estabelecer limites bíblicos para a expressão do nosso desejo e satisfação do prazer sexual.


Mas não podemos em hipótese alguma ignorar o fato de que o sexo é uma bênção de Deus, que é um ato glorioso e cheio de potencial para glorificar a Deus.


ASSIISTA UM DE NOSSOS

VÍDEOS NO YOUTUBE






4,453 visualizações0 comentário

NAMORO COM PROPÓSITO

Ipatinga, Minas Gerais, Brasil

Atendimento: Seg. a Sex. de 13h as 18h

(33) 9 8881 1677

contato@ncpoficial.com.br

CNPJ 24.096.557/0001-36

© 2020 por Namoro Com Propósito | Nossa missão é ensinar princípios para solteiros, namorados e noivos